‘Apesar de’ e ‘Apesar de que’ – expressões concessivas importantíssimas


Fala, minha família. Começando mais uma semana buscando a tranquilidade para os seus estudos? Então, que tal se falássemos de conjunções para a vida ficar maravilhosa? Calma… não desista, pois isso é importante! O tema ‘conjunções’ vai cair na sua prova! Eu falo isso com clareza, convicção e confiança, apesar de não saber qual é o seu concurso.

Observe esse segmento: ‘apesar de não saber qual é o seu concurso’. Pense no valor semântico que ele porta. Pense no que ele traz para a oração. Concorda que o fato de eu não saber qual é o seu concurso é um ponto que me deveria me deixar sem certezas acerca daquilo que vai cair? Então, é isso. Se eu não sei qual é a sua prova, como eu sei o que vai cair? Observe o PODER DISCURSIVO da expressão introduzida pelo ‘APESAR DE’. Vamos fazer uma interpretação em linguagem mais familiar.

(A) ‘O tema ‘conjunções’ vai cair na sua prova! Eu falo isso com clareza, convicção e confiança, apesar de não saber qual é o seu concurso.’

A expressão sublinhada tem valor de CONCESSÃO. E o que seria concessão, na nossa Gramática? Eu costumo dizer, em sala de aula, que concessão é uma ‘oposição fraca’. Ela estabelece oposição a uma ideia, mas não a invalida.

Sobre a frase (A), observe o real entendimento: O fato de eu não saber qual é o seu concurso deveria tirar de mim qualquer certeza sobre um assunto que vá cair na sua prova. Mas o assunto ‘conjunções’ é tão frequente em provas que, MESMO NÃO SABENDO QUAL É O SEU CONCURSO, eu digo: isso vai cair!

Percebeu? Há uma ideia contrária entre não saber qual é a sua prova e SABER O QUE VAI CAIR. Porém, essa ideia oposta não invalida o fato de eu saber que esse assunto surgirá no seu concurso. Isso é o que traz uma oração com valor concessivo: uma ressalva, uma oposição que não invalida.

Segue uma listinha conectivos concessivos relevantes: Embora, se bem que, malgrado, posto que, não obstante, conquanto, nem que, ainda que, apesar de que, mesmo que, em que (pese), apesar de, a despeito de.

No Português, existem as locuções Apesar de que e Apesar de. Mas isso não quer dizer que, numa questão que apareça o apesar de que, você possa simplesmente retirar a palavra ‘que’, deixando o ‘apesar de’. É preciso ter muito cuidado com propostas feitas por bancas. Observe:

(B) Ele conquistará muitos títulos, apesar de que seu investimento não seja muito grande.

O ‘apesar de que’ é uma locução conjuntiva. As locuções conjuntivas concessivas que terminam em ‘que’ fazem com que o verbo seja conjugado no subjuntivo.

Já o termo ‘apesar de’ não é uma locução conjuntiva, é uma locução prepositiva. O seu uso merece atenção constante quanto à forma verbal. Observe a diferença NO VERBO quando se efetua uma substituição entre esses conectivos.

(B) Ele conquistará muitos títulos, apesar de que seu investimento não seja muito grande.

(C) Ele conquistará muitos títulos, apesar de seu investimento não ser muito grande.

As duas expressões são concessivas, ou seja, estabelecem a mesma relação semântica. No entanto, não há de se considerar uma simples troca entre elas, muitos menos uma simples supressão do ‘que’. A substituição é válida e pode manter o mesmo sentido, desde que observadas as alterações verbais. A banca precisará citar os ajustes necessários na forma verbal para que seja ‘lícita’ a troca. Beleza?

Fiquem sempre atentos aos detalhes e não se esqueçam de DECORAR AS CONJUNÇÕES.